Refinanciamento vale a pena? Entenda como funciona

Fazer um refinanciamento vale a pena? Essa é uma modalidade onde o cliente para quem busca por condições especiais na hora de pagar um serviço. Mas é preciso estar atento em alguns pontos. Descubra aqui no Creditável se fazer um refinanciamento vale a pena e quando contratar o serviço!

Refinanciamento vale a pena
Veja aqui o que é o refinanciamento e quando ele pode ser uma boa ideia (Foto: Edson Souza/Adobe Stock)

O que é e como funciona o refinanciamento?

Você sabia que é possível, após contratar um empréstimo (ou qualquer outra linha de crédito), é possível trocar o contrato atual por um novo?

Para saber se o refinanciamento vale a pena, é preciso conhecer a modalidade antes. Aqui, é possível negociar um novo contrato com a mesma instituição do contrato que está em vigência atualmente.

Essa pode ser uma oportunidade para quem busca condições especiais de pagamento e pode ser uma solução para quem deseja organizar todas as suas dívidas.

No refinanciamento, é possível contar com um tempo maior para a realização do pagamento, taxas de juros reduzidas (depende do caso) e entre outros benefícios.

Além disso, em alguns casos, é possível receber parte do dinheiro de volta (troco). Hoje, essa modalidade pode ser usada por quem contratou uma linha de crédito, como o empréstimo pessoal.

Quem fez um empréstimo consignado também pode refinanciar suas dívidas. Lembrando que o cliente pode usar o valor, acordado nesse novo contrato, da forma que bem entender.

Refinanciamento de imóveis e de veículos

Também é possível encontrar opções de refinanciamento onde a pessoa irá usar um bem como garantia. Um deles é o refinanciamento de imóvel (também chamado de empréstimo com garantia de imóvel).

Aqui, o cliente irá utilizar um imóvel de sua propriedade como garantia para conseguir uma certa quantia de dinheiro. Esse crédito poderá ser utilizado, pelo cliente, da forma que ele bem entender.

Lembrando que a casa/apartamento/imóvel comercial poderá ser usado pelo interessado até o fim do contrato. Mas esse imóvel ficará vinculada a instituição financeira (alienação fiduciária).

Refinanciamento vale a pena
Foto: Imagem de Freepik

Também é importante lembrar que, dependendo do caso, há a necessidade de parte do imóvel seja quitado. Há ainda o refinanciamento de veículos, que possui um financiamento bastante parecido.

Afinal, o cliente estará deixando um veículo como garantia de pagamento. Também é possível citar o fato do cliente poder usar o bem durante a vigência do contrato (mesmo com o veículo estando alienado).

Em ambos os casos, o cliente pode conseguir, em forma de crédito, uma boa parte do valor do bem deixado em garantia. Mas o mesmo precisa lembrar de fazer o pagamento das parcelas na data certa.

Taxas de juros do refinanciamento

Para não ter surpresas no futuro, o cliente precisa, antes de assinar um contrato, estar atento às taxas de juros praticadas pela instituição financeira que está oferecendo o serviço.

No caso do refinanciamento, as taxas podem variar de acordo com a cada empresa e com o tipo. Mas essa é uma modalidade conhecida por contar com juros reduzidos.

Como contratar um refinanciamento?

Fazer um refinanciamento pode ser uma opção por contar com várias vantagens, como a possibilidade aliviar suas finanças. Para isso, é preciso, primeiramente, procurar por uma empresa que realiza o serviço.

Diversas instituições fazem, depois da pessoa fazer o pedido, uma análise de crédito. Também há chances de acontecer uma avaliação do bem desejado.

Por fim, a assinatura do contrato e a liberação do crédito acontecem no fim. No Brasil, é possível encontrar várias empresas que oferecem o serviço.

Fazer um refinanciamento vale a pena?

Mas, afinal, contratar um refinanciamento vale a pena? A modalidade pode ser útil para quem já possui uma linha de crédito contratada e busca por condições mais favoráveis.

Foto: Pormezz/Adobe Stock

O refinanciamento também pode ser uma boa opção para quem deseja melhorar sua vida financeira. Mas é preciso levar em consideração alguns fatores. O seu planejamento financeiro atual é um deles.

Também é necessário conferir as condições do novo contrato (taxas de juros, prazos e entre outros detalhes) e as regras praticadas por cada instituição.